Tratamento

Equilíbrio Químico:


Antes de começar o tratamento de qualquer água, seja ela da piscina ou spa é necessário analisar parâmetros como pH, Alcalinidade Total, Dureza Cálcica e Ácido Cianúrico. E ajustar caso seja preciso, confira aqui como fazer a analise desses parâmetros e ter uma piscina quimicamente equilibrada!

 


Etapa 2
Tratamento Saudável:

Toda piscina precisa de um sanitizante, que é o responsável por matar vírus, bactérias, fungos e qualquer outro micro organismo vivo que possa vir fazer mal a saúde dos banhistas, assim é o M20 Sanitizante. Após o extermínio dos micro organismos vivos, eles ainda ficam presentes na água, agora mortos ficam lá como matéria orgânica e ainda podem fazer mal a saúde e ai entra o Mplus Oxidante, que é responsável por eliminar toda matéria orgânica da água! Veja como é fácil manter sua Piscina 100% Saudável!

 


Etapa 3
Tratamento estéticos:

Mesmo estando equilibrada quimicamente, sanitizada e com oxidante, uma piscina precisa de outros tipos de cuidados para manter uma água sempre cristalina, como uma boa filtração com o auxilio do Clear Gel, um bom clarificante como o Mfloc, um ótimo decantador como o Clear Max, produtos que auxiliam na eliminação de gordura como o Eliminador de Oleosidade e pra ficar completo um Limpa Bordas, para deixar sua piscina um brinco!

 

 

 

Por que não devemos utilizar cloro nas piscinas?!

Muito se fala sobre o Peróxido de Hidrogênio, tentam difamar e denegrir a imagem do seu uso em piscinas de todas as formas… Essa tática desleal é empregada pelas empresas que fabricam e/ou vendem produtos com cloro, para que vocês não conheçam a verdade sobre esse princípio ativo. Mas nós, da Maresias, gostaríamos de esclarecer o porquê de não trabalharmos com o cloro.


Cloro: O que é e pra que serve?
O Cloro é um elemento químico da família dos Halogênios, em condições normais é um gás amarelo esverdeado. Tem função desinfetante e oxidante e essas propriedades auxiliam na descontaminação da água.
O cloro começou a ser utilizado por volta de 1880 e por mais de um século o cloro tem sido utilizado como uma das principais substâncias no tratamento de águas, pois é barato e têm certa eficiência no combate a microrganismos que possam estar presentes na água.

A adição de cloro na água que consumimos e utilizamos deve ser fiscalizada e regulamentada por órgãos federais tais como a ANVISA que é a responsável Vigilância Sanitária de cada cidade e estado do país. E aí que começam os perigos, pois muitos municípios não conseguem fiscalizar a quantidade de cloro nas águas que vêm dos centros de tratamento, quem dirá a água de piscinas.

O que a OMS e outros Órgãos falam sobre o consumo de cloro?
A OMS (Organização Mundial da Saúde) fala que o cloro, se utilizado de forma prudente e dentro dos níveis ideais, pode ser um grande agente desinfetante e assim um controlador de doenças como Febre Tifóide, Colera e etc. Porém reconhece os perigos do cloro e os riscos que o excesso de cloro no organismo humano pode causar complicações como a acidose metabólica, quadros intensos de cefaléia, confusões mentais e hiperventilação.

Já a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (USEPA), considera o cloro como um Pesticida, um veneno, capaz de eliminar organismos vivos, porém o cloro não mata somente as bactérias, mas também destroem células e tecidos saudáveis do nosso corpo.

Qual o risco do consumo de cloro?
O cloro ganhou destaque na 1ª Guerra Mundial, os soldados alemães desenvolveram bombas de gás cloro que era utilizadas para sufocar e matar seu inimigos, o cloro é um gás sufocante que resseca e bloqueia as vias respiratórias, forçando edema pulmonar e posteriormente a morte.

Infelizmente incidentes com gás cloro acontecem ainda hoje e são mais comuns do que parecem, causando vítimas, como é o caso da academia de Campinas, confira a matéria aqui!

Outros riscos do consumo de cloro são:
• Aumento da adesão de colesterol LDL na parede das artérias – resultando em maior risco de doenças cardiovasculares;
• Risco elevado de desenvolvimento de cânceres na região dos rins, bexiga e outras vias urinárias;
• Maior risco de desenvolvimento de bronquite e asma – causados pela inalação excessiva de vapor de cloro em banhos e águas quentes;
• Irritações de pele e queda na qualidade dos fios de cabelos e unhas;
• Irritação respiratória grave;
• Desenvolvimento de eczema, uma doença de pele caracterizada por coceiras, ressecamento e elevação de temperatura da pele;
• Risco de desenvolver problemas na produção de hormônios tireoidianos;
• Queimaduras na boca, garganta, esôfago e estômago, caso volume ingerido de água quente com cloro seja alta;
• Maior sensação de náuseas e indigestão.

O Consumo de Cloro pode causar câncer?!
Sim, o cloro em reação com compostos orgânicos gera uma substância chamada Trihalometano (THM) que também são conhecidas como cancerígenos organoclorados. Os trihalometanos podem ser inalados dos vapores de banheiros ou absorvidos pela pele nos banhos de piscinas ou ainda ingeridos na água que bebemos.

THMs desencadeiam a produção de radicais livres no organismo, são altamente cancerígenos, e causam danos celulares, uma das principais afetadas pelos THMs é a glândula tireoide, o THMs podem causar tumores e afetar o sistema nervoso, fígado e rins, além de causar distúrbios reprodutivos. Segundo o Conselho de Qualidade Ambiental dos Estados Unidos, “o risco de câncer entre as pessoas que utilizam água clorada é 93% maior do que entre aquelas cuja água não contém cloro”.

Estudos feitos no Canadá apontam ligação entre tratamento de água feito com cloro e o câncer de estômago, e entre a quantidade de carbono orgânico (COT, indicador de THM) e o câncer do intestino grosso em homens. Também houve associações positivas entre o clorofórmio na água tratada e o risco de morte por câncer de cólon (homens e mulheres), câncer de estômago, entre dosagem de cloro e câncer retal (homens e mulheres) e câncer de tórax. Para mulheres também houve associação entre dosagem de cloro ou água clorada sujeita a contaminação por substâncias orgânicas e câncer do cólon e cérebro.

Tanto é que o Canadá  desenvolveu um sistema de tratamento de água com ozônio e peróxido de hidrogênio, você pode conferir a matéria CLICANDO AQUI! Agora pare pra pensar porquê será que países mais desenvolvidos estão buscando alternativas ao tratamento de água sem o uso de cloro?!

Por fim, por que não devo utilizar cloro em minha piscina?!
Além de todos os malefícios que o cloro pode causar em sua saúde, existem métodos mais práticos e eficientes de cuidar da água de sua piscina, é o caso do M20 Sanitizante em conjunto do Mplus Oxidante ou dos equipamentos como ozônio, ionizador ou U.V.
É possível ter uma água pura, segura e saudável de verdade, SEM CLORO! Afinal quanto vale sua saúde e a da sua família?!

A saúde de nossos clientes assim como a água vale muito!

jQuery UI Dialog - Default functionality